Em fevereiro/2019 a Aero lançou o EP Ímpeto, que seria a primeira parte de um álbum a ser concluído posteriormente – você encontra uma resenha aqui no blog. Agora, eis a segunda parte, que saiu no finalzinho de 2019.

Há uma diferença de 10 meses entre os dois lançamentos. E ainda que as músicas sejam de uma mesma época e já tenham sido testadas em shows, demos etc, há uma diferença enorme entre os dois registros.

Ao gravar o Ímpeto a banda parece ter absorvido toda uma gama de experiência que pôde usar nesta segunda gravação. E não teve medo de errar.

Há uma clara evolução em termos de produção. A banda mostra-se mais madura e fez exatamente aquilo que queria fazer. Soube dialogar com a produção e extrair todos os timbres, sons, beats e camadas que procurava.

Em Ímpeto você escuta uma banda querendo se encontrar. Tempestade traz uma banda pronta, madura, corajosa e dominando todo seu processo criativo.

A princípio, não é um EP fácil. Já nos primeiros acordes o “estranho” prende sua atenção. Sintetizadores dão o tom de Presságio, que vai crescendo e nos envolvendo lentamente, com suas guitarras dedilhadas e sua bateria etérea. Você quer seguir em frente, ainda que possa continuar achando “esquisito” aquele começo lá atrás.

Um violão traz você de volta e chama sua atenção novamente. Chuva faz você querer tomar um café e ficar olhando pela janela as gotas caírem lá fora. Um lindo refrão o atinge e as guitarras sujas, barulhentas e suaves guiam-no ao final.

Ressaca é bem direta: “viva as alternativas de fugir da realidade”. Há quem discorde?

Outra Canção Sobre Solidão é pra tocar em qualquer rádio pelo Brasil afora. Simplesmente uma delícia de se ouvir. Mas não se engane, versos como “Eu tentei ser forte, mas minha sorte não me quis assim” o deixam num impasse. Aí você fica pensativo, enquanto o solo se desenrola, e provavelmente não chega a nenhuma conclusão.

Torquato Neto começa só com voz e sintetizador e você se pergunta o que é isso? E paga pra ver. E não se decepciona.

O EP fecha com Azul, e você vai ter que ouvir pra saber como essa viagem de pouco mais de 27 minutos termina…

Um viva à Aero, que fez um trampo de gente grande.

* Rubens Lerneh