O título do segundo trabalho de Valciãn Calixto é uma frase que ele carrega como lema desde os tempos em que era baixista da Cianeto, que sintetiza a realidade de muitos artistas que mesmo frente as dificuldades, vão lá, no peito e na raça, e entregam trabalhos geniais mesmo com recursos tão escassos.

Gravado diretamente do Calistúdio (estúdio independente do artista em Teresina), o Nada Tem Sido Fácil Tampouco Impossível é uma experimentação sonora que o próprio Valciãn gosta de chamar de Axé Punk, mas que nesse disco passeou pelo Funk, em Deus nos Livra, pelo forró em Ensinamentos da Preta Velha Vovó Maria Conga, que contou com a participação de Juliana D Passos, e até mesmo uma pegada rock setentista à moda Fevers em Faz Tanto Tempo.

No disco temos a bela canção declaração 3R1K0N4, composta pra esposa, cantando o amor cotidiano, sem aqueles clichês de “buscar a lua, os céus e as estrelas”.

Outras canções que me chamaram muito a atenção foram Nunca Fomos Tão Adultos, que contou com o feat de Júlia Barth, que traz o swingão com elementos de guitarra Indie, Deus é bom, contou com Jotaerre, (guitarrista do Psirico), poderia tocar tanto nos paredões de som, quanto nas “Igrejas, nos terreiros e nos templos budistas” e Nya Akoma, com Jeza da Pedra, que trouxe elementos do axé com salsa e uma letra que sintetiza o momento de paz com que Valciãn se encontrou com a arte que está produzindo.

Nesse ótimo disco, Valciãn pode parecer aos ouvidos menos treinados, alguém que tentou agradar gregos e troianos. É muito mais que isso. Gravando num esquema Lo-Fi, onde seu computador dá vazão a sua musicalidade, Valciãn Calixto conseguiu fazer seu disco atendendo a todas suas inquietações criativas, como ele mesmo disse na faixa Korey Wise, Eu te Amo e se mostra pronto pra ganhar o mundo, como sugere a capa do seu disco.

Nem que ele tenha que ir com uma Caixa de Som amarrada na traseira de uma Pop 100. E não duvidem, afinal quem bebe Nick Mason e tira gosto com Psirico, não tem medo de enfrentar o mundo, sabe que Nada tem sido fácil, tampouco impossível e não tem pretensão de parar.

* Jairo Mouzze