Após 11 anos disseminando música mundo afora, um dos maiores blogs de música do Brasil e do mundo resolveu virar um selo digital e resgatar lançamentos antigos. Estamos falando do Hominis Canidae Rec e do blog hominiscanidae.org.

Naipe HC foi uma banda formada em setembro de 2001 com o intuito de aproveitar todo o potencial juvenil através da energia e da freneticidade do hardcore, acreditando que dessa união é possível produzir algo de útil para a banda e também para o mundo.

Congregando todas essas experiências, surgiu o EP intitulado “Dando a cara à tapa“, lançado de forma independente em 2005 com quatro músicas, mostrando uma boa parte da capacidade que o grupo possui e gerando boas críticas na época, como a de Ricardo Tibiu, jornalista da Folha de São Paulo, no site do Hangar 110: “O EP “Dando a cara à tapa” traz apenas quatro faixas, mas já dá para ter uma idéia do esforço do quarteto. A começar pela capinha bem caprichada e o encarte econômico, mas funcional. O som segue aquele hardcore da década de 90, com herança direta de bandas como No Use For A Name, No Fun At All e, na ala brasileira, Dead Fish.”

Tranquilas Calmarias”, canção que abre o EP, é um hardcore melódico frenético e tem letra de Chico Tigre, que na época tocava na banda Velho Ziza. Ele também participa da canção recitando um poema de sua autoria. “Ser Sem Ser” adiciona o punk a mistura sonora e tem a participação de Thiago Rabelo, da banda pernambucana Os Medonhos, cantando nos refrões. “Angústia” é o punk pop do trabalho, com uma mistura mais calma alternando momentos acelerados e uma letra que fala sobre quão fugaz pode ser o tempo. Fechando o EP “Selvagem Ego” traz de volta o hardcore melódico que inicia o trabalho e tem letra de Hélio Óleo, que tocou na Naipe no inicio do projeto.

A Naipe HC era: Ricardo Pansera no vocal, Yuri Baidhy na bateria, Júnior Zurdo no Baixo e Polito na guitarra (Gabriel Izidoro a partir de 2008). O EP foi gravado, mixado e masterizado de Janeiro a Março de 2005 no Estúdio Boca 48, por Márcio Boca e Naipe. A capa foi feita por Júnior Zurdo. E agora, o trabalho está sendo resgatado para todos os streamings modernosos pelo selo digital Hominis Canidae REC.

Rubens Lerneh