Pessoal do Labcine, Maniva e O Rio Te Chama organizaram o Rolê Beira de Rio neste último sábado, dia 06, que aconteceu no bar do Mazim, na Avenida Maranhão, próximo ao Iate Clube.

Houve o lançamento do filme “Cidade Entre Rios”, uma produção Labcine; Oficina de geotinta e Cozinha Natural com a Maniva Comida da Terra. Tudo isso num lugar incrível e cheio de gente massa! A escolha das bandas que fecharam o evento foi super acertada.

O Bar do Mazim é um bar simples, bem rústico, que fica de fato na beira do rio Parnaíba, você consegue ver as águas descendo tranquilas à procura do seu oceano…

Severo fez sua apresentação com base no excelente disco de 2018, “Suor, Violento Precário”. E começou explicando que está com um material novo pra ser lançado, mas que faria um revival.

A única vez que tinha visto um show do Severo foi em 2018 na programação do Teresina é Pop. Na verdade, parte do show, apenas. Mas havia ficado com uma impressão muito boa. E essa apresentação no Rolê Beira de Rio só confirmou a suspeita: Severo ao vivo é intenso e o som se agiganta.

Com um público atento e disposto a ouvi-lo, não tinha como dar errado. Banda coesa, só com gente boa no que faz, com destaque especial para o sax do Rafael Fortes, que deu um diferencial em várias músicas.

Foi pouco mais de uma hora de show. Provavelmente não haverá outras apresentações dessas, e, infelizmente, se você perdeu, não terá uma segunda chance, como eu tive. A curiosidade sobre o que Severo nos trará no seu próximo trabalho ficou enorme.

Rapidamente a Monte Imerso começou os primeiros acordes de seu som psicodélico, contando dessa vez com a luxuosa participação do Pedro Ben nos synth.

Vi a Monte Imerso pela primeira vez em julho de 2019, no finado Alquimia, e me deixei levar de cara na viagem proposta. Neste show do Rolê Beira de Rio a banda foi um pouco prejudicada pelo som, que estava um pouco sem definição, e os efeitos lisérgicos não funcionaram tão bem, principalmente para quem não conhecia o som da banda.

Mas aos primeiros acordes de “Ilusões” ou “Labirinto de Conflitos”, o pessoal já começava a pular e cantar junto.

Observação: não chamem o Davi Abel de “gostoso” nos shows. Mas o Zacarias Seriano recebe o elogio com todo o prazer.

Parabéns a todos os envolvidos na produção desse lindo evento.

*Rubens Lerneh