Navegantes e as águas de Ynaê é um grupo formado na cidade de Teresina, capital do Piauí, que mistura jovens artistas com nomes mais experientes da cena local e cria uma sonoridade rica, conjugando elementos regionais e de matriz africana com a cultura dos grandes nomes da MPB e do rock clássico. As letras são inspiradas no mar, suas divindades e nos temas cotidianos da vida. 

A banda fez seu primeiro show em meados de 2018 e de lá pra cá, vem abrindo espaços importantes na cena piauiense. Em 2019, foram finalistas do Chapadão, principal concurso de música autoral do Piauí, com a canção “Eles não tem pressa”, selecionada entre mais de 100 composições inscritas. O evento abriu as portas para apresentações no tradicional Salão do Livro do Piauí – SALIPI e no projeto Boca da Noite.  No final de 2021 o grupo fez sua primeira apresentação pós pandemia na Mostra Tremembé do SESC de música autoral do Piauí, apresentando as canções do EP, que foram bem recebidas pelo público e que rendeu a gravação ao vivo de uma nova música no estúdio A Casa após seleção por votação popular.

Divulgação

Com mais de 30 composições autorais, o grupo aproveitou o período da pandemia para começar a registrar tais canções e “Mangata” é a primeira mostra do primeiro EP do projeto. “A expressão que deu nome a nossa canção “Mangata” significa o reflexo da lua na água do mar, retrato esse vislumbrado pela letra da canção, que oferenda à orixá do mar, Iemanjá”, explica Dayse Bezerra, co autora da canção e guitarrista do grupo. “A música tem uma sonoridade que faz referência ao soul brasileiro e tropicalismo e festeja o dia 02 de fevereiro, dia de Iemanjá, com muita alegria e oração.” complementa.

O EP será lançado dia 02 de Fevereiro, exatamente no dia de Iemanjá, e conta com quatro faixas centradas no tema da festa da rainha do mar. “O EP é muito significativo para todos nós, certamente por ser o primeiro, e também por ter sido um processo longo, já que se deu em meio à pandemia. Nossas composições trazem um misto de festa, de fé e de amores, nas quais também pode-se perceber nossa admiração e encantamento pelo “mar” e pelos orixás, principalmente “Iemanjá””, comenta Esaú Barros, vocalista da banda.

O trabalho foi gravado no Estúdio A Casa, em Teresina e conta com produção do músico paraibano Nildo Gonzalez.