“Tudo é Eterno, Nada é Para Sempre” é o 2º álbum da curta e prolífica carreira do beatmaker paulistano The Wxlke, que já lançou alguns singles além do outro álbum. 

O que se ouve no trabalho é uma tentativa de emular a sensação de que algo imoral está acontecendo ao nosso redor. Com influências do jazz, downtempo, trip hop e lo-fi, as 10 faixas do álbum servem como pano de fundo para segundas ou até terceiras intenções de se recriar aspectos obscuros, do ponto de vista da neutralidade. A mixagem e masterização seguem um padrão saturado, lavado, talvez até intencionalmente desleixado e sujo.

Com faixas instrumentais criadas a partir de sonhos e que versam a partir de temas como rejeição, existência e com referências a artistas como Kanye West, The Wxlker apresenta seu melhor trabalho, mesmo que não tenha sido essa a intenção. “A escolha de uma roupagem mais reflexiva para a sonoridade passa pelo desejo de se compreender o que mais pode ser feito para que algo seja mais do que eterno”, tenta explicar o beatmaker. “Lembra aquele seu date que foi bom, mas a pessoa nunca mais te ligou e você às vezes se pergunta o motivo, apesar de nunca ter tido um aparente”, complementa o artista.

Um álbum lançado num momento extremamente confuso do nosso país e datado para um amanhã que nunca virá, pois viveremos eternamente o caos dos tempos, mesmo que nada seja para sempre.

O trabalho é um lançamento do Hominis Canidae REC.